vale-do-catimbau-pernambuco
Aventura Campo Dica Econômica

Já visitou o Vale do Catimbau em Pernambuco? Então não sabe o que está perdendo.

Para quem acha que Pernambuco se resume às suas belas praias está muito enganado. A 4 horas da capital do estado está o Vale do Catimbau, um lugar que temos a certeza que vai te surpreender pelas belezas das paisagens. Reservamos um final de semana para dar uma passadinha despretenciosa por lá. Já tínhamos ouvido falar mas nunca tivemos aquele interesse enorme de conhecer, mas tudo mudou assim que pusemos os pés no vale. A primeira coisa que nos chamou a atenção foi a semelhança com a beleza da Chapada dos Veadeiros em Goiás, mas sabe qual é a melhor parte dessa história toda?  Esse paraíso de beleza natural está bem pertinho, praticamente no quintal da casa de todos os pernambucanos e é muito pouco explorado. O vale nos deixou tão encantados que já temos data marcada para voltar, só assim vamos conseguir fazer todas as trilhas que o parque oferece.

O lugar é ideal para os trilheiros, pois o parque oferece 13 trilhas de diferentes intensidades, nós mesmos conseguimos fazer apenas 3  mas que já foram suficientes para despertar aquele gostinho de “quero mais” e”vamos voltar”. Ricos na história e nas pessoas locais a Vila e o Vale do Catimbau nos apresentaram de cara figuras de bom coração e muito bem humoradas como o Eneas (nosso Guia) que sabe tudo sobre o folclore e geografia do local e a Dona Maria Vitória (proprietária da pousada que ficamos hospedados) que ama sua cozinha, a partir daí sabíamos que seria um tour que iríamos gostar.


Levem dinheiro pois o caixa mais próximo fica a quilômetros de distância e lá o cartão não funciona.


Nosso maior interesse nessa viagem era de conhecer as tão comentadas pinturas rupestres que datam de pelo menos 6mil anos e se encontram espalhadas em pontos do parque, mas assim que fizemos a primeira trilha – aproximadamente 40min de caminhada leve – notamos que as pinturas são apenas um detalhe dentro um mundo de belezas que o vale tem a oferecer. Nos deparamos com um cenário incrível, que até mesmo o nosso guia não escondia o orgulho e alegria de estar ali naquele momento contemplando tudo aquilo.

As fotos do primeiro dia.
vale-do-catimbau-1
vale-do-catimbau-2
vale-do-catimbau-3
vale-do-catimbau-4
vale-do-catimbau-5
vale-do-catimbau-6

Além desse visual incrível aí das fotos tivemos direito a um passeio noturno próximo à pedra do cachorro, que nos permitiu apreciar a beleza do céu do sertão durante à noite, quem estiver de viagem marcada e tiver um tempo sobrando dê um pulinho com um guia por lá neste período, garantimos que a experiência valerá muito a pena.


O espetáculo da noite do Catimbau é incrível!


vale-do-catimbau-noite

Se reparar bem na imagem acima você vai ver que não se trata do nascer do sol mas sim da lua.

Tivemos a oportunidade de visitar o Vale no período da noite graças ao fotógrafo Gustavo Bettini, que durante 4 anos realizou uma série incrível chama Entremeios sobre o sertão e agreste no período noturno. Realmente incrível e você pode conferir aqui.

 

Nossa Trilha do primeiro dia foi até o Cânion abortado, ele leva esse nome pois o cânion que estava se formando com seus mais de 400 metros de altura, de repente finaliza e não tem mais continuidade. No caminho dessa trilha observamos várias pedras com formatos diferentes, tem até uma águia com as asas abertas. De lá partimos para a Igrejinha que é essa foto com um buraco no meio e depois seguimos até uma pedra para apreciar o pôr do sol, que para nossa surpresa se pareceu muito com os pores do sol que vimos no Atacama.

No segundo dia fizemos uma trilha mais longa mas não por isso mais complicada.

vale-do-catimbau-14

vale-do-catimbau-12
vale-do-catimbau-16
vale-do-catimbau-8
vale-do-catimbau-18
vale-do-catimbau-9
vale-do-catimbau-11
vale-do-catimbau-13
vale-do-catimbau-7
vale-do-catimbau-15
vale-do-catimbau-10
vale-do-catimbau-17

Nosso ponto de partida foram os Cânions para a  trilha dos homens sem cabeça. A origem desse nome veio das pinturas rupestres que encontramos no caminho, onde os desenhos feitos nas rochas parecem de guerreiros sem a cabeça, daí o nome da trilha. Fomos contornando os cânions entre subidas e descidas até chegar em um mirante de onde é possível ver todo o vale, um visual incrível. Essa é uma trilha fácil, que pode ser feito inclusive por crianças, desde que acompanhadas pelos pais ou responsáveis.  O ideal é levar água ou um isotônico para não desidratar durante a caminhada, além de usar roupas leves, boné, óculos escuro e um tênis confortável.

Depois dessa trilha fomos conhecer o Atelier do Luiz Benício, um artista local que faz peças em madeira belíssimas, quem fizer o tour com o Eneas, pede para passar por lá que vale a pena. Uma obra mais bonita que a outra, da vontade de levar tudo pra casa. É bom lembrar que lá também não são aceitos cartões de crédito, então é melhor ir prevenido com dinheiro para não passar vontade.

Para quem quiser conhecer um pouco mais do trabalho dele este aqui é o Facebook dele https://www.facebook.com/ArtesaoLuizBenicioSilva/?fref=ts

 

Depois do almoço seguimos para a segunda trilha do dia, a trilha das Torres. Estacionamos o carro em uma propriedade privada e partimos em caminhada numa areia fofa mas sem grandes esforços, até chegarmos a uma subida maior pelas pedras. Fizemos uma primeira parada em um plato para contemplar a vista, que de lá dava para ver a pedra do cachorro e boa parte do vale. Seguimos subindo em uma parte com vegetação um pouco mais fechada e nos preocupando em onde pisar, sem reparar muito no que estava por vir. Quando finalmente olhamos para cima, no nosso segundo ponto de parada, avistamos uma das pedras mais lindas que se possa imaginar com suas curvas e cores que as fotos não conseguem capturar o tamanho da beleza daquele local. Ficamos enlouquecidos. Passada a euforia e milhões de fotos, seguimos para o último ponto da trilha, as chamadas torres. São onze no total e quando chegamos no topo, conseguimos ver todas, ali bem pertinho. Um cenário belíssimo!! Paramos para contemplar a paisagem e fazer um lanchinho antes da nossa descida. Como voltaríamos no mesmo dia, não pudemos esperar o por do sol, mas Eneas nosso guia nos garantiu que assistir de lá de cima é um espetáculo a parte. Na próxima já esta anotado!

Assim nos despedimos do Vale do Catimbau, aquele lugar que não esperávamos nada mas que nos conquistou. Voltaremos em breve e assim passaremos mais dicas das outras 10 trilhas que ainda não fizemos.

 

Arruma a mala aê e partiu pro Vale do Catimbau!

 


O que o vale oferece:

  • Pousada da dona Maria Vitória – R$80,00 (diária por pessoa com café da manhã, almoço e jantar). Uma dica é ligar pedindo para reservar a suite, pois a pousada só conta com um quarto com banheiro privativo.
  • Internet na praça e também na pousada
  • Guia (Eneas) média de R$100,00 para grupos de até 10 pessoas  (valor dia)
  • Entrada nas propriedades R$2,00 a R$5,00

 

Contatos

Eneas – Guia do Vale:  (87) 99810.7056

Luiz Benício – Mestre Artesão: (87) 99638.3929

Pousada Maria Vitória: (87) 99637.7402

 

Como chegar

Seguindo pela BR-232 sentido Recife/Caruaru, siga até Arcoverde.  Pegue a saída para Buíque entrando na PE-270 e siga até uma placa indicando Vale do Catimbau, até ai a estrada é toda asfaltada e em boas condições.

Saia na placa indicando para o Vale do Catimbau por uma estrada de terra até chegar na Vila do Catimbau. A pousada Maria Vitória fica logo na entrada, é um prédio bem colorido, não tem como errar.

 

 

2 Responses

  1. Adorei a sugestão!!! Janeiro vem aí e já sei pra onde vou !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *